Siren

É a tua parte de sereia que te faz entrar na água, transformares-te em espuma e confundires-te com as ondas.  

Read More Siren

Septem soles

*** Se às vezes digo que as flores sorriem… Alberto Caeiro. Divido o tempo e vou somando. Um  ano, doze meses, um mês, trinta dias, uma semana. E somando retomo um ano, e neste exercício me demoro, prolongando o tempo, como se a espera e a passagem dos dias fossem alguma firmeza na penumbra.  E […]

Read More Septem soles

Move-se brandamente o arvoredo

Tudo passei; mas tenho tão presente a grande dor das cousas que passaram, que as magoadas iras me ensinaram a não querer já nunca ser contente. Camões, Soneto “Erros meus, má fortuna, amor ardente”. Há em alguns sonetos de Camões um sentimento de funda desesperação que me deixa profundamente inquieta. Muito mais do que a […]

Read More Move-se brandamente o arvoredo

O meu mundo é redondo e amarelo

Queria que o meu mundo fosse assim, redondo e amarelo. Queria mergulhar nestas pequenas flores e matar a sede com aquela água doce que delas se desprende, lamber das patas este maná que todos os dias me é dado, não sei donde, nem sei como. Queria que não ficasse de noite… que esta luz dourada […]

Read More O meu mundo é redondo e amarelo

Imagem abreviada do paraíso

Saí de casa com a câmera fotográfica, atravessei a estrada, andei dez metros, fotografei o portão em frente, e voltei. Pouco tempo, poucas fotografias. Apenas o suficiente para criar metáforas e metalepses, mundos dentro de outros mundos e entre mundos. Começa a definir-se uma ideia central e acho que cada artigo sobre fotografia deste blogue acentua […]

Read More Imagem abreviada do paraíso

Nuvens de incenso

Pedra e talha. Detalhes que me prendem o olhar no intervalo de uma cerimónia. No altar, o ritual, as mãos levantadas, indicando o caminho aos cânticos e às nuvens de incenso. Os olhos sobem, repetindo o mesmo movimento de ascensão. Devagar. Desenho com os dedos as colunas largas de pedra, as folhas gravadas no pedestal. Sigo […]

Read More Nuvens de incenso

Cenário para um mundo estranho

Uma das coisas que me apaixona na fotografia, como na escrita (e na pintura, no cinema, soubesse eu desenhar o que quer que fosse, escrever um guião ou usar o vídeo da câmera fotográfica), é a possibilidade de criar mundos diferentes. Os caminhos e os cantos do quintal costumam oferecer-me “pequenos mundos” a que o […]

Read More Cenário para um mundo estranho