A rose is a rose is a rose et coetera

E nesses primordiais cabelos precocemente cosidos onde poderei afagar as sobras calcinadas do amor, a timidez da luz, um primeiro movimento, uma mãe?   Ano de 2015. Voltei a Coimbra e encontrei-me com o João. Tinha o manuscrito de um novo livro. Li-o e chorei. Falei-lhe do trabalho de fotografia documental que tinha feito com…

The question

*** Hamlet observa a Horácio que há mais cousas no céu e na terra do que sonha a nossa filosofia. Era a mesma explicação que dava a bela Rita ao moço Camilo, numa sexta-feira de novembro de 1869, quando este ria dela, por ter ido na véspera consultar uma cartomante; a diferença é que o fazia por outras palavras. Machado…

Little sun

*** Às vezes dura menos de um segundo aquele olhar sobre as coisas. O segundo olhar é mais demorado… calcula, avalia, ensaia e deleita-se. Sei que vou conseguir uma fotografia que me agrada quando sinto esse deleite dentro de mim. É assim como um contentamento antecipado de uma coisa boa, de um acontecimento esperado, uma…

Livraria alfarrabista

*** Comprava livros num alfarrabista quase no cimo da Rua do Comércio onde passava todos os dias. Contava os trocos que sobravam da mesada e pedia ao dono para mos guardar quando não podia comprá-los. Ele não guardava… mas costumavam estar lá quando eu voltava. Não eram caros, nem eram edições boas, nem antigas, nem especiais,…

O voo das andorinhas II

*** No dia 25 de abril, na Praça 8 de Maio, em Coimbra, a Academia de Dança do Centro Norton de Matos apresentou uma hora de dança, com interpretações dos seus bailarinos, dos mais meninos aos mais velhos. Fiz uma selecção das minhas fotografias preferidas.

Ut pictura

*** Estava lá, num canto da fotografia. Passou a ser a fotografia. Há qualquer coisa de magia nisto. Concerto de Daniela Mercury, 9 de maio 2014, Queima das Fitas, Coimbra.  

Coimbra

*** (…) Viajei por mais terras do que aquelas em que toquei… Vi mais paisagens do que aquelas em que pus os olhos… Experimentei mais sensações do que todas as sensações que senti, Porque, por mais que sentisse, sempre me faltou que sentir E a vida sempre me doeu, sempre foi pouco, e eu infeliz….

Só de ouvir o vento passar

*** O mar tem fim, o céu talvez o tenha, Mas não a ânsia da Coisa indefinida Que o ser indefinida faz tamanha. Fernando Pessoa, Cancioneiro Saio de casa para comprar fruta e tomar café. No último minuto peguei na máquina fotográfica e mudei a objectiva. Estava uma manhã de sol que sabia bem, depois…

Escreler

*** Existem as palavras. Existem as palavras ditas, as palavras pensadas, as palavras escritas, as palavras supostas. E existe um tempo. E assim existe um espaço. Espaços. E existe a escrita. Que dá corpo. Que dá matéria. Que alonga as pontes entre o escrever e o ler. Escreler, de Manuel Portela. Na Casa da Escrita,…

Via aurea

Como tirar estas fotografias em vinte e oito passos. Ir à Casa da Escrita para a inauguração da exposição escreler, do Manuel Portela (depois falo sobre isso). Levar a máquina fotográfica. Assistir a uma espantosa performance do Manuel. Tirar bastantes fotografias. Sair mais cedo por causa da viagem. Dar de caras com um sol poente indeciso…

Romaria

Costumava ir à romaria com os meus avós. Adorava as barracas, os rituais, os rebanhos à volta da ermida, os ex-votos de cera. A minha avó comprava-me um saco de beijinhos e um conjunto de panelinhas para eu brincar. Merendávamos pão com queijo, bacalhau frito e bolos d’água. O meu avô de olhos verdes, enorme,…

Rua das Flores

Olhei uma vez e vi. Da segunda vez passei mais devagar. À terceira parei e fui ver. Talvez a beleza do lugar tenha a ver com a geografia, entre casas baixas, casas altas e horizontes entrevistos. Ou terá a ver com as ruas que ali se cruzam, a Couraça dos Apóstolos e a Rua das…