Nos teus olhos (capriccio)

Os teus olhos são os meus olhos, como casas caiadas de fresco, lavadas da poalha dourada sobre o rio. O teu coração aquece-me a lembrança de tanto verde e azul e as rochas batidas do sol e das giestas são o teu corpo em que me deito e sacio de todas as horas em que não existes. Amar-te-ia […]

Read More Nos teus olhos (capriccio)

Fábula da lua

Havia uma lua enamorada do lago, do reflexo das árvores e dos juncos esguios. O nome da lua podia ser Narciso. Nas águas paradas contemplava a luz pálida, os traços de vales e crateras. Era um narciso conformado, demasiado longe para cair no lago. Talvez não haja história para contar. Havia apenas uma lua enamorada […]

Read More Fábula da lua

Chamo-me ovelha

Fiquei quieta a olhar. Decorei-lhe o gesto e vi como a paixão florescia entre as mãos e os olhos. Recolhi a luz dentro de mim. Ana de Santa Cruz Eu olhei primeiro e voltei para trás. Pedi-lhes que esperassem e apressei-me a mudar de objectiva. Aproximei-me do muro, sorrindo e fotografando ao mesmo tempo. Elas […]

Read More Chamo-me ovelha

A espessura do sol

O fim de agosto traz-me sempre melancolia. Mas também não o direi a ninguém… A espessura do sol Cabe na boca O Verão Está quase a terminar Não O diremos a ninguém Daniel Faria, Poesia, 428

Read More A espessura do sol

Into the light

Luz opaca onde as asas se ferem e o voo fica suspenso. Ana de Santa Cruz, Fábulas Octávio Paz, em 1973, no texto La mirada anterior, Prólogo a Las enseñanzas de Don Juan, de Carlos Castaneda, a propósito de uma curiosa citação de Michaux sobre o receio da “demasiada” publicação das suas obras, afirma: “Es […]

Read More Into the light