No meio do caminho

No Meio do Caminho No meio do caminho tinha uma pedra Tinha uma pedra no meio do caminho Tinha uma pedra No meio do caminho tinha uma pedra Nunca me esquecerei desse acontecimento Na vida de minhas retinas tão fatigadas Nunca me esquecerei que no meio do caminho Tinha uma pedra Tinha uma pedra no […]

Read More No meio do caminho
Em destaque

Tu, cristal em chamas derretido

(…) Tu, que em um peito abrasas escondido, Tu, que em um rosto corres desatado, Quando fogo em cristais aprisionado, Quando cristal em chamas derretido, Se és fogo, como passas brandamente? Se és neve, como queimas com porfia? (…) Gregório de Matos, do soneto ”Ardor em firme coração nascido!”   Não, não havia fogo. Até […]

Read More Tu, cristal em chamas derretido

Ten seconds of Joana’s cat.

Era difícil não ter Baudelaire na cabeça enquanto fotografava a Gata: “Espelho meu, espelho meu, quem é mais gata do que eu?” És tu, Joaninha. Le chat Viens, mon beau chat, sur mon coeur amoureux; Retiens les griffes de ta patte, Et laisse-moi plonger dans tes beaux yeux, Mêlés de métal et d’agate. Lorsque mes […]

Read More Ten seconds of Joana’s cat.

Sobrevivente

Ouve-me, Sara, ouve-me. Disseram-te: minha filha, tu és isto e aquilo. E eu digo-te: tu és como és, Sara. Disseram-te: as coisas são o que são. Querer que elas sejam outra coisa é tolice e pecado, presunção, sonho infantil, revolta. E eu digo-te: transforma o mundo, Sara. Disseram-te: faz bem o que tens a fazer, […]

Read More Sobrevivente

A espessura do sol

O fim de agosto traz-me sempre melancolia. Mas também não o direi a ninguém… A espessura do sol Cabe na boca O Verão Está quase a terminar Não O diremos a ninguém Daniel Faria, Poesia, 428

Read More A espessura do sol

Into the light

Luz opaca onde as asas se ferem e o voo fica suspenso. Ana de Santa Cruz, Fábulas Octávio Paz, em 1973, no texto La mirada anterior, Prólogo a Las enseñanzas de Don Juan, de Carlos Castaneda, a propósito de uma curiosa citação de Michaux sobre o receio da “demasiada” publicação das suas obras, afirma: “Es […]

Read More Into the light

A delícia da vida

(…) E eu morrendo! E eu morrendo, Vendo-te, e vendo o sol, e vendo o céu, e vendo Tão bela palpitar nos teus olhos, querida, A delícia da vida! A delícia da vida! Olavo Bilac, In extremis (…) O que adoro em ti lastima-me e consola-me: O que eu adoro em ti é a vida! […]

Read More A delícia da vida

Dois anos

Ouve o que diz a mulher vestida de sol quando caminha no cimo das árvores «a que distância deixaste o coração?» José Tolentino Mendonça, A que distância deixaste o coração Passaram dois anos. Tenho andado mais por veredas e caminhos sombrios que por largas avenidas luminosas, mas da sombra vem a luz e a criação, mesmo […]

Read More Dois anos