Assim, as noites e os dias

Gosto de surpreender a minha avó. Às vezes entro na sala e dou-lhe um beijo no cabelo sem ela estar à espera. Raramente se assusta a não ser que esteja a dormitar. Nessa altura acordo-a a ela e às outras velhinhas todas da sala. Na verdade nunca visito só a minha avó; acabo por saber […]

Read More Assim, as noites e os dias

What happened to Miss Spring?

Continuo com frio e este ano quase nem dei conta das flores da minha ameixeira do quintal. Não me lembro sequer de a ver toda florida como costumava. Pode ser que eu não tivesse estado presente. Pode ser que as flores tenham fugido da chuva, caídas na água do tanque. Vou ter menos ameixas. São […]

Read More What happened to Miss Spring?

Firework

Tenho medo do fogo. Tenho medo desde menina, quando os incêndios rodeavam a aldeia e os homens combatiam o fogo com o que tinham à mão. Ainda tenho esse medo miudinho. Há poucos dias fugi das chamas como o diabo da cruz e chorei descontroladamente, zangada comigo mesma por me sentir assim. Mas há fogos […]

Read More Firework

Crónica de Feaglar

Matei os falsos sorrisos, silenciei as mentiras, vinguei as afrontas, as injustiças… Quando a minha inocência morreu, morreram aqueles que as destruíram. Pedro Ventura, O Regresso dos Deuses, p. 253 Já me encontrei com o Pedro Ventura há mais de um mês na Biblioteca Municipal de Viseu. Ele tinha na mão a reedição de Goor […]

Read More Crónica de Feaglar

Da sátira ao moralismo

Poco es conquistar el entendimiento si no se gana la voluntad. B. Gracián, El Heróe: Discurso XII. Acabei de reler a citação do jesuíta espanhol em A sátira e o engenho (1989), de João Adolfo Hansen, obra fundamental para o estudo da sátira no período barroco, sobretudo no que diz respeito à poesia satírica de […]

Read More Da sátira ao moralismo

O voo das andorinhas

A minha vida é tudo menos rotineira. Já me queixei quando o era, mas na verdade nunca o foi verdadeiramente. Pois é disso que hoje me queixo, de não ter rotina que me permita fazer render mais o meu tempo. Mas também é com isso que me alegro, com a possibilidade de viver sempre novas […]

Read More O voo das andorinhas

Cartografia do barroco e do neobarroco

Foi hoje, pelas 16 horas, no Centro de Literatura Portuguesa, a conferência de Vincenzo Russo, professor da Universidade de Milão. O título era mais do que sugestivo e suficientemente provocador: Cartografia conceptual do Barroco e do Neobarroco na literatura portuguesa do século XX. De uma forma concisa e didáctica, Vincenzo Russo cobriu 5o anos que […]

Read More Cartografia do barroco e do neobarroco

Separador central

Passou uma semana, passaram duas, mais meia. Por quanto mais tempo aquele tapete cor de rosa ia ficar assim? De cores vivas, a prender-me os olhos naqueles 200 metros de fartura de cor ondulante? Domingo, talvez fossem dez horas e meia, lá estava eu. Os domingos costumam ser proveitosos… Às nove arrumara a máquina no […]

Read More Separador central

Emergir

Não fui eu quem escreveu tristinfinitamente. Luís Belo, emergir, medíocre, 2013, p. 12. Percorro lentamente as páginas a sépia e a preto e branco de emergir. Lembro-me muito bem da primeira vez que vi o Luís Belo e as suas fotografias de Viseu. Foi na Fnac, como resultado de sucesso num concurso fotográfico. Fui sabendo […]

Read More Emergir

Inquietude

  Não não te mexas, não fales, não respires não sintas Fica quieta fica inteira E mesmo assim as horas hão de achar forma de soprar e de espalhar a inquietude de que és feita. Ana de Santa Cruz, Poema III, Fábulas.

Read More Inquietude