Em destaque

Tu, cristal em chamas derretido

(…) Tu, que em um peito abrasas escondido, Tu, que em um rosto corres desatado, Quando fogo em cristais aprisionado, Quando cristal em chamas derretido, Se és fogo, como passas brandamente? Se és neve, como queimas com porfia? (…) Gregório de Matos, do soneto ”Ardor em firme coração nascido!”   Não, não havia fogo. Até […]

Read More Tu, cristal em chamas derretido

Tirâ pai na putau

Já passaram dois anos desde que fotografei o último espectáculo. Mas este mês tirei o coração das misérias e fotografei dois. Ficar tanto tempo sem fotografar o que eu gosto não é nada bom… Desta vez foi o ensaio geral do “Tirâ Pai di Putau”, levado à cena pelo Grupo de Teatro Dóci Papiaçam di […]

Read More Tirâ pai na putau

Rosa, rainha das flores

Sabe-me muito bem voltar à literatura barroca, sobretudo à alegoria, mais ainda nos nossos tempos, e verificar como os avisos de escritoras como Soror Maria do Céu se mantêm tão atuais. Não admira, podemos pensar: é a condição humana que não muda. Em Obras Várias e Admiráveis, desta que foi por duas vezes abadessa do Convento […]

Read More Rosa, rainha das flores

Largo Camões

Chama-se assim, o largo. E tem um dos templos mais bonitos de Macau, mais dourado ainda com o sol a baixar na linha do horizonte. E o outono corre sereno. No largo preparavam-se os pares e a música do Grupo de Danças e Cantares de Macau. Eu sabia o que procurava. Já fotografei bastante nestes […]

Read More Largo Camões

Lu Nan

“I wish my works could outlive me…” Lu Nan 1962 Born in Beijing 1989 Started to photograph The Forgotten People: The Condition of China’s Psychiatric Patients which was completed in 1990 1992 Started to photograph On The Road: The Catholic Faith in China which was completed in 1996 1996 Started to photograph Four Seasons: Everyday Life of Tibetan Peasants which was completed in 2004 2006 Started […]

Read More Lu Nan

Infância perdida

Como lhe hei-de explicar isto, senhor presidente da junta, o silêncio de uma casa carbonizada. (2017: 12) As coincidências ocorrem quando menos esperamos. Ainda tenho nos olhos as fotografias do Miguel Valle de Figueiredo quando começo a ler o livro de contos da Ana Margarida de Carvalho, Pequenos delírios domésticos, publicado pela Relógio d’Água no final de […]

Read More Infância perdida

Cinzas

Cortaram os trigos. Agora A minha solidão vê–se melhor. Sophia, O Nome das Coisas, 1977 Não é por estar do outro lado do mundo que as coisas do meu mundo me passam ao lado. Estas não passaram. Nem o incêndio que tudo levou na sua frente, nem as fotografias do Miguel Valle de Figueiredo que me ferem […]

Read More Cinzas

No meio do caminho

No Meio do Caminho No meio do caminho tinha uma pedra Tinha uma pedra no meio do caminho Tinha uma pedra No meio do caminho tinha uma pedra Nunca me esquecerei desse acontecimento Na vida de minhas retinas tão fatigadas Nunca me esquecerei que no meio do caminho Tinha uma pedra Tinha uma pedra no […]

Read More No meio do caminho