Ut pictura fictio

*** [A Riqueza] Era uma mulher de luzidos olhos, prateada tez, dourados cabelos, vestia de tela de prata, e assim manto como roupa bordava de botões de ouro, gala que estudar-se-lhe o ser, fora injuria, a cabeça era um tesouro de joias, e quanto mais leve na consideração, mais capaz de fazia para o peso. […]

Read More Ut pictura fictio

Tempus et urbs: peregrinatio

*** Sendo costume dos homens mais advertidos e curiosos, que por qualquer causa fazem viagem, o escrever as memórias delas, me pareceu bem seguir o seu exemplo e dar princípio a minha jornada de Lisboa a Itália, apontando os sucessos delas. Padre D. Manuel Caetano de Sousa, Viagem de Itália e Espanha, 1709, fl. 1 De 11 […]

Read More Tempus et urbs: peregrinatio

Emblematica and fiction

*** (…) era em campo de ouro um Pelicano ferindo o peito sobre os tenros filhos, e ao pé dizia esta letra: ‘à custa de minha vida / sustento a de meus cuidados’. Francisco Rodrigues Lobo, Primavera (Floresta Nona) *** Num contexto cultural e artístico dominado pelo investimento em estruturas visuais de grande impacto, que […]

Read More Emblematica and fiction

Libreria del Viaggiatore

*** Travel has no longer any charm for me. I have seen all the foreign countries I want to except for heaven and hell, and I have only a vague curiosity as concerns one of those.  Mark Twain, The Complete Letters of Mark Twain, Echo Library, 2007. Diz Lamartine na sua Voyage en Orient, publicada em 1835: Il […]

Read More Libreria del Viaggiatore

Aleg(o)ria

Le plus grand mystère est que nous tirions de nous-mêmes des images assez puissantes pour nier notre néant. A. Malrauz, La condition humaine. Falo melhor quando falo do que gosto, daquilo que já se entranhou dentro de mim e continua a fazer-me descobrir coisas novas, desafios diferentes. Foi o que aconteceu ontem, sem saber bem […]

Read More Aleg(o)ria

A condição humana e a alegoria

Il est très rare qu’un homme puisse, comment dire? Accepter sa condition d’homme.  André Malraux, La condition humaine (1933) Falar da condição humana, falar do desconhecido e do que está para lá do entendimento, sempre foram condições favoráveis à utilização da alegoria, entendendo esta como um procedimento que permite ou exige que um enunciado tenha […]

Read More A condição humana e a alegoria

“Doze novelas” para as Figuras da Ficção 4: colóquio internacional

***** Uso de deidades, adorações, sacrifícios, entregos da alma, e outros hipérboles introduzidos como licenças poéticas, frases amorosas, e não em verdadeiro sentir, enquanto são gala do dizer e não desvios do sentir católico; isto, e tudo o mais, sujeito à censura da Igreja como filho dela. Gerardo de Escobar, Doze novelas, “Protestação do Autor”. […]

Read More “Doze novelas” para as Figuras da Ficção 4: colóquio internacional

Fábula dos Planetas

***** Sunt bona, sunt quaedam mediocria, sunt mala plura Quae legis hic: aliter non fit, Avite, liber. (Marcial, Liv. II, Epigr. 16) Acabou de sair, editado pela conhecida Iberoamericana / Vervuet, o volume Del poder y sus críticos en el mundo ibérico del Siglo de Oro. Con contribuciones en portugués (Índice), com coordenação de Ignacio Arellano, Antonio […]

Read More Fábula dos Planetas

Move-se brandamente o arvoredo

Tudo passei; mas tenho tão presente a grande dor das cousas que passaram, que as magoadas iras me ensinaram a não querer já nunca ser contente. Camões, Soneto “Erros meus, má fortuna, amor ardente”. Há em alguns sonetos de Camões um sentimento de funda desesperação que me deixa profundamente inquieta. Muito mais do que a […]

Read More Move-se brandamente o arvoredo

Morreu Raquel, morreu minha alegria

— Mais servira, se não fora Pera tão longo amor tão curta a vida! Camões, Soneto “Sete anos de pastor Jacob servia”. A novela moral, Orbe celeste, publicada em 1742 com o pseudónimo Leonarda Gil da Gama, da autoria de Soror Madalena da Glória, apresenta entre as páginas 207 e 259, cento e cinquenta oitavas com […]

Read More Morreu Raquel, morreu minha alegria