Alma de sete cores

Tinha o céu da minha alma as sete cores, valia-me este mundo um paraíso, destilava-me a alma um doce riso, debaixo de meus pés brotavam flores! (João de Deus, “A Vida”) No dia 26 de fevereiro vou falar sobre João de Deus, a “alma de sete cores”, numa das salas do Museu Nacional Grão Vasco, […]

Read More Alma de sete cores

Vanitas

  Esta citação do Peregrino da América é uma entre muitas na multiplicidade da ficção alegórica e moral do barroco. Oh caduca belleza! Oh falsa vaidade! Como te considero tão depressa arruinada! De que te serviu a vida estribada em um engano com alentos de uma respiração, se havias de morrer de um suspiro? Ah infeliz! […]

Read More Vanitas

Vita brevis

Glórias, que hão de ser de tão pouca dura, para que é possuí-las? Felicidades tão momentâneas, para que é estimá-las? Formosura, que tão depressa se afeia, para que é idolatrá-la? Vida, que tão brevemente se acaba, porque que é prezá-la? Nuno Marques Pereira Compêndio Narrativo do Peregrino da América (1939, I: 284-285) Nos dias 26 e […]

Read More Vita brevis

Aquário de memórias

*** Entre imagens é uma série de documentários que a RTP2 está a passar às segundas feiras. No dia 18 foi a vez do episódio sobre o trabalho de José Manuel Rodrigues. Ia vendo, ouvindo e fazendo mais uma coisa qualquer, mas fui ficando presa quando reconheci algumas coisas de que também tenho alguma (pouca) […]

Read More Aquário de memórias

Atlas do Corpo e da Imaginação

*** A “fonte do pensamento genuíno é o espanto, espanto por, e perante o ser. O seu desenvolvimento é essa cuidada tradução do espanto em acção que é o questionar…” G. Steiner, Heidegger, Dom Quixote, 1990, p. 53   Terceira crónica publicada no Correio Beirão, 14 de março. Atlas do Corpo e da Imaginação  Que […]

Read More Atlas do Corpo e da Imaginação

Metamorfoses da santidade

*** Casos, opiniões, natura e uso Fazem que nos pareça desta vida Que não há nela mais que o que parece. Camões, Soneto “Correm turvas as águas deste rio” A releitura de Orbe Celeste, de Soror Madalena da Glória, publicado em 1742, foi o motivo para o terceiro artigo na série Teografias. Começou assim: “A conferência […]

Read More Metamorfoses da santidade

Rimas, poesia e hagiografia

*** A Ti busque, a Ti ache, a Ti me entregue Com tam intenso amor, com tal vontade, Que nunca mais de ti me desapegue. Várias Rimas ao Bom Jesus, 1770, p. 11 Duas recensões sobre literatura barroca na Revista de Estudos Literários, prestigiada edição do Centro de Literatura Portuguesa. Consultar PDF: aqui. “Poesia e […]

Read More Rimas, poesia e hagiografia