Inquietude

  Não não te mexas, não fales, não respires não sintas Fica quieta fica inteira E mesmo assim as horas hão de achar forma de soprar e de espalhar a inquietude de que és feita. Ana de Santa Cruz, Poema III, Fábulas.

Read More Inquietude

À procura de imagens: Roma

Quinta e sexta feira, na Universidade do Minho, decorre o colóquio O Imaginário das Viagens. Literatura, Cinema e Banda Desenhada, no auditório do Instituto de Letras e Ciências Humanas (ILCH), organizado pelo Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho (CEHUM). A minha intervenção, com o título À procura de imagens: Roma nas «relações» portuguesas […]

Read More À procura de imagens: Roma

De perfectione

Há fotografias que me fazem parar. Quando estou a fazê-las e depois e depois e depois. Não consigo distanciar-me do que vejo. Mais do que a beleza da composição, do abandono dos capitéis caídos, do perfeito «renascimento» dos arcos, da narrativa hagiográfica dos azulejos, cria-se uma cumplicidade que me faz sentar e pousar a máquina […]

Read More De perfectione

Narrativas da paisagem

Por que é que um manuscrito datado de 1532 é copiado dois séculos depois, no correr do século XVII ou nos inícios do século XVIII? Quem foi este viajante que, saindo de Lisboa, visitou as principais cortes da Europa, onde viviam princesas de Portugal, como D. Beatriz, como D. Isabel, mulher do poderoso Carlos V? […]

Read More Narrativas da paisagem

Eram lindas, as flores

Perguntei-lhe pelo cavalo branco, ele disse não ter nenhum. E a roupa de príncipe? Também não tenho. E o nome de príncipe? Também não. Tem um buquê de flores então? Tampouco o tenho. Mas isso é fácil de resolver, espera um bocadinho. Quando voltou, trazia escondido atrás do corpo um buquê de flores do campo, […]

Read More Eram lindas, as flores

Mui comprida de soberba

Confesso. É só uma pontinha, assim miudinha, quase imperceptível… mas tem nome e chama-se vaidade. E lá estão pelo menos cinco volumes, alinhadinhos, entre o meu casal de Sargadelos, todos iguaizinhos, a dizerem que já cá estão e com muito gosto! Matias de Andrade não fala de «vaidade» mas fala abundantemente da «soberba», quase sinónimo. […]

Read More Mui comprida de soberba

Story of a heart

Si ahora tú te vas Pronto descubrirás Que los dias son eternos y vacíos sin mi. Luz Casal, Un año de amor. Desenhar corações é uma coisa antiga. E simples. Quando olhei para a secretária e para a luz que nela incidia e peguei no verniz com que tentava arranjar as unhas, foi um coração […]

Read More Story of a heart