em dias de luz perfeita e exacta

Às vezes, em dias de luz perfeita e exacta,

Em que as coisas têm toda a realidade que podem ter,

Pergunto a mim próprio devagar

Porque sequer atribuo eu

Beleza às coisas.

A. Caeiro

Continuo obsessiva, estado que já me conheço desde há muito, mas de que tomei conta com a fotografia. Também lhe chamo indecisa, mas acho que não é isso. É uma absoluta incapacidade de apagar qualquer traço de beleza que encontro.

A beleza é o nome de qualquer coisa que não existe

Que eu dou às coisas em troca do agrado que me dão.

Não é agrado, não é só agrado. É uma alegria, um entusiasmo,  de descobrir outra dimensão oferecida pelas coisas, que pode vir das formas mais diversas. 

Que difícil ser próprio e não ver senão o visível!

Não, não. Somos cegos e desatentos a maior parte das vezes. A beleza é a singularidade visível, que vem da proximidade e da atenção e que me acrescenta.

© Sara Augusto, 2020 Grand Coloane, Macau

4 opiniões sobre “em dias de luz perfeita e exacta

  1. excelente! são fotografias sublimes na sua afirmação compositiva, consistência e complementaridade cromática (azul celeste, verde orgânico)!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s