Hortus conclusus I

Continuo a fotografar flores quase compulsivamente… mas é curioso lembrar-me agora que nunca achei particular graça a fotografias de flores. Enquanto focava umas coisinhas brancas minúsculas, que não teriam mais de cinco centímetros, penso que percebi o porquê! Os grandes planos que me fazem perder o contexto da flor assustam-me… As cores e as formas tomam contornos abstractos e, pelo contrário, eu preciso de saber que cada flor tem um caule, folhas, espinhos, e que terá florido em algum lugar. Preciso da história da flor. Revi as fotografias anteriores e encontrei essa história. Mas deve ser só com as flores porque eu gosto mesmo de descontextualizar os objectos e dar-lhes dimensões insólitas, colocá-los em histórias só para eles, arrancá-los bruscamente da rotina.

A maior parte das vezes surpreendo-me e crio mundos só para mim…  Como este.

I'll live there
I’ll live there

2 opiniões sobre “Hortus conclusus I

  1. Vi várias vezes o filme ” O Último Samurai “, um dos melhores que vi na vida. O período que Nathan Algreen passa obrigatoriamente na Aldeia dos Samurais é extraordinário. Por várias vezes, neste período de transição da primavera para o verão, o Grande Katsumoto fala ao estrangeiro na poesia eternamente incompleta que tenta escrever acerca da beleza das flores. As imagens que caracterizam estes pedaços do filme mostram-nos flores lindíssimas. A partir do Ultimo Samurai não mais deixei de reparar em flores.

Deixe uma Resposta para José Rodrigues Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s