The question

*** Hamlet observa a Horácio que há mais cousas no céu e na terra do que sonha a nossa filosofia. Era a mesma explicação que dava a bela Rita ao moço Camilo, numa sexta-feira de novembro de 1869, quando este ria dela, por ter ido na véspera consultar uma cartomante; a diferença é que o fazia por outras palavras. Machado […]

Read More The question

Deriva

*** As ordens que levava não cumpri E assim contando tudo quanto vi Não sei se tudo errei ou descobri. Sophia de Mello Breyner Andresen, Deriva VIII.   Sentei-me na última fila. A sala despida, na penumbra. Apenas um armário junto da parede e no canto esquerdo uma cadeira de encosto. A luz da janela batia […]

Read More Deriva

Topázio

***   Desvio o olhar da serra, quase névoa de luz, para o caminho. Baixo-me e observo. Sento-me no muro e tenho cuidado com o que piso. Cada vez gosto mais de fotografar jóias. Esmeraldas iluminadas e topázios cor de fogo e mel. Nunca mais fui apenas capaz de olhar em volta. Agora vejo. Quem […]

Read More Topázio

O lago quer sonhava ser nuvem

*** Passei por aqui muitos dias da minha vida e em todos eles vi alguma coisa diferente. Acredito que vou pagar um preço alto por não ter experimentado nunca esse estado excelente a que chamam rotina. Ana de Santa Cruz. Não gosto muito de fotografias de paisagem, mas também raramente passo tempo com ela. Parece-me […]

Read More O lago quer sonhava ser nuvem

Light water

*** Da terceira vez não vi mais nada Os céus se misturaram com a terra E o espírito de Deus voltou a se mover sobre a face das águas. Manuel Bandeira, “Teresa”. Lugar: Loch Venachar, Loch Lomond and Trossachs National Park, Scotland. Foi só o início. Mas o início é sempre deslumbrante. Havia uma luz […]

Read More Light water

Inania verba

*** Quem o molde achará para a expressão de tudo? Ai! Quem há de dizer ânsias infinitas Do sonho? E o céu que foge à mão que se levanta? E a ira muda? E o asco mudo? E o desespero mudo? E as palavras de fé que nunca foram ditas? E as confissões de amor […]

Read More Inania verba

Still

*** Há nestes dias, quando o frio faz teias entre o quarto e a sala e o cheiro das lareiras se estende pelas ruas, uma memória pungente da felicidade. Hesitei em escrever isto. Talvez devesse ter escrito “memória pungente dos momentos felizes”, mas isso é pouco. Talvez não nos sejam dados a viver muito e […]

Read More Still

Para lá da sombra

Das sombras espero sempre a luz reveladora. Ana de Santa Cruz O espaço interior é de sombra para os olhos que vêm da luz e do calor. Demorei tempo a perceber a imensidade da catedral, mas cedo entendi bem a forma como a voz popular se referiu à decisão dos cónegos de Sevilha em 1410 […]

Read More Para lá da sombra

O meu mundo é redondo e amarelo

Queria que o meu mundo fosse assim, redondo e amarelo. Queria mergulhar nestas pequenas flores e matar a sede com aquela água doce que delas se desprende, lamber das patas este maná que todos os dias me é dado, não sei donde, nem sei como. Queria que não ficasse de noite… que esta luz dourada […]

Read More O meu mundo é redondo e amarelo