Aleg(o)ria

Le plus grand mystère est que nous tirions de nous-mêmes des images assez puissantes pour nier notre néant. A. Malrauz, La condition humaine. Falo melhor quando falo do que gosto, daquilo que já se entranhou dentro de mim e continua a fazer-me descobrir coisas novas, desafios diferentes. Foi o que aconteceu ontem, sem saber bem […]

Read More Aleg(o)ria

A condição humana e a alegoria

Il est très rare qu’un homme puisse, comment dire? Accepter sa condition d’homme.  André Malraux, La condition humaine (1933) Falar da condição humana, falar do desconhecido e do que está para lá do entendimento, sempre foram condições favoráveis à utilização da alegoria, entendendo esta como um procedimento que permite ou exige que um enunciado tenha […]

Read More A condição humana e a alegoria

Que as manhãs tenham orvalho

Mal fora iniciada a secreta viagem um deus me segredou que eu não iria só. Por isso a cada vulto os sentidos reagem, supondo ser a luz que deus me segredou. David Mourão-Ferreira “Inscrição sobre as ondas”, em A secreta viagem. Que as manhãs tenham orvalho. Que o chão esteja seguro quando eu pousar os pés […]

Read More Que as manhãs tenham orvalho

“Doze novelas” para as Figuras da Ficção 4: colóquio internacional

***** Uso de deidades, adorações, sacrifícios, entregos da alma, e outros hipérboles introduzidos como licenças poéticas, frases amorosas, e não em verdadeiro sentir, enquanto são gala do dizer e não desvios do sentir católico; isto, e tudo o mais, sujeito à censura da Igreja como filho dela. Gerardo de Escobar, Doze novelas, “Protestação do Autor”. […]

Read More “Doze novelas” para as Figuras da Ficção 4: colóquio internacional

The heart asks for pleasure first

***** What’s in a name? that which we call a rose By any other name would smell as sweet. Romeo and Juliet The heart asks for pleasure first. The piano, Michael Nyman Tenho tentado não fotografar flores e estas fotografias já têm mais de um mês. Mas hoje pareceram-me voluptuosas, enigmáticas… e bonitas. For my […]

Read More The heart asks for pleasure first