Da sátira ao moralismo

Poco es conquistar el entendimiento si no se gana la voluntad. B. Gracián, El Heróe: Discurso XII. Acabei de reler a citação do jesuíta espanhol em A sátira e o engenho (1989), de João Adolfo Hansen, obra fundamental para o estudo da sátira no período barroco, sobretudo no que diz respeito à poesia satírica de…

A chave e os rios

Escritoras representativas da literatura brasileira no início do século XXI. Realização: CLEPUL, Mestrado em Estudos Brasileiros (FLUL-ICS) e Biblioteca da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Apoio: Embaixada do Brasil 7 março Quinta-feira, Faculdade de Letras, sala 2.13, 17-20h. Sara Augusto, A chave e os rios: alegoria nos romances de Tatiana Salem Levy. Não…

Dois rios

Tatiana Salem Levy, Dois Rios, Lisboa, Tinta da China, 2012. NOTA: a leitura dos romances de Tatiana Salem Levy tem sido uma descoberta constante. Não são fáceis de ler. O discurso de memória, de reflexão, a fragmentação narrativa, quase manipuladora, determinando o acesso às informações necessárias para a construção de um sentido válido, obrigam a…

Eram lindas, as flores

Perguntei-lhe pelo cavalo branco, ele disse não ter nenhum. E a roupa de príncipe? Também não tenho. E o nome de príncipe? Também não. Tem um buquê de flores então? Tampouco o tenho. Mas isso é fácil de resolver, espera um bocadinho. Quando voltou, trazia escondido atrás do corpo um buquê de flores do campo,…

Guerra interior

Em Guerra interior, do Padre Matias de Andrade, Oratoriano de Freixo-de-Espada-à-Cinta, retoma-se um dos temas mais antigos da espiritualidade humana. Na altura em que a edição está quase pronta, resolvi ir apresentando o texto e o seu autor. Hoje fica a capa da edição, da responsabilidade da Rute Augusto, mais um trabalho bem conseguido pela…

Desgraça só carece começar. Jorge Amado

Já que pergunta com tanta delicadeza, eu lhe digo, seu moço: desgraça, só carece começar. Começou, não há quem segure, se alastra, se desenvolve, produto barato, de vasto consumo. Alegria, ao contrário, meu liga, é planta sestrosa, de amanho difícil, de sombra pequena, de pouco durar, não se dando bem nem ao sol, nem à…

Jorge Amado: 100 anos

Colóquio Internacional 100 anos de Jorge Amado. O Escritor, Portugal e o Neorrealismo. 12 a 16 de novembro, 2012. A organização do evento consome tempo, mas a intertextualidade começa a ser um problema que me apaixona: Tereza Batista e outras guerras. RESUMO Tereza Batista cansada de guerra, romance de Jorge Amado, publicado em 1972, constitui…

Cansadas de guerra: Gaspar Pires de Rebelo e Jorge amado

Cansadas de guerra. FERRAMENTAzine. Temas de construção. nº 2. «Conjugo duas leituras numa semana e subitamente os enredos enleiam-se em movimentos de rejeição e de concórdia de uma forma sempre surpreendente e inesperada. Reavalio a minha “biblioteca anterior” e percebo a vantagem dos anos ocupados em leituras, mesmo que dispersas ou então, com mais frequência,…

Poesia nova

No contexto do romantismo brasileiro, As Cartas sobre a Confederação dos Tamoios (1956) desenham o projeto de José de Alencar relativo a uma «poesia nacional» e a uma «poesia nova». Na segunda carta, datada de 22 de Junho, afirma: Escreveríamos um poema, mas não um poema épico; um verdadeiro poema nacional, onde tudo fosse novo,…