She’s got the look

Why must a photograph be a mirror? William Kleine. Só se for uma mîse-en-abyme… abrindo portas sobre portas para a imaginação, como um corredor que se prolonga indefinidamente, multiplicando pormenores. Ela olhou, na altura certa. E toda a leitura da fotografia se deslocou, estabelecendo um percurso distinto. A fotografia não é um espelho… são arestas […]

Read More She’s got the look

White big thing

Na verdade, eu não sei que seja aquela coisa branca enorme que agora está no meu céu de sempre. Mas é imensa e bonita. Queria ser o primeiro pássaro a voar sobre ela, a primeira gaivota a pisar a areia daquela praia. “Pensamentos da gaivota que olhava a lua com o mesmo espanto da primeira […]

Read More White big thing

I’ve a story, my story

I was made for you. Brandi Carlile, The story. Tens tempo? Tenho uma longa história para te contar, uma narrativa onde os enredos se cruzam, acertam e perdem o norte logo a seguir. All of these lines across my face, mais marcadas a cada dia que passa, tell you the story of who I am, […]

Read More I’ve a story, my story

Tenho muitas coisas para vos dizer

  Tenho muitas coisas para vos dizer… e foram ditas, com um afecto tão verdadeiro que nem eu esquecerei. Tenho ainda muitas coisas para vos dizer, mas não as podeis compreender agora. Quando vier o Espírito da verdade, Ele vos guiará para a verdade plena; porque não falará de Si mesmo, mas dirá tudo o […]

Read More Tenho muitas coisas para vos dizer

Todos os teus gestos são aves

Todos os teus gestos são aves. Bernardo Soares, Livro do Desassossego. Não creio que alguma vez ele tenha pensado que valia a pena. Mas eu pensei e só isso me interessa e, na verdade, só isso é importante. Ana de Santa Cruz. A minha varanda é uma armadilha. As vidraças são amplas e as aves […]

Read More Todos os teus gestos são aves

Chamo-me ovelha

Fiquei quieta a olhar. Decorei-lhe o gesto e vi como a paixão florescia entre as mãos e os olhos. Recolhi a luz dentro de mim. Ana de Santa Cruz Eu olhei primeiro e voltei para trás. Pedi-lhes que esperassem e apressei-me a mudar de objectiva. Aproximei-me do muro, sorrindo e fotografando ao mesmo tempo. Elas […]

Read More Chamo-me ovelha

Quando quis ser pastora

Os pastores de Virgílio tocavam avenas e outras coisas E cantavam de amor literariamente. (Depois — eu nunca li Virgílio. Para que o havia eu de ler?) Mas os pastores de Virgílio, coitados, são Virgílio, E a Natureza é bela e antiga. Alberto Caeiro   Eu li Virgílio, em latim. Uma  coisa deliciosa. E por […]

Read More Quando quis ser pastora

Lux mundi

Vivemos com receios que não sabemos quem plantou dentro de nós ou que circunstâncias os condicionaram. Conseguimos estender tanto a rotina das nossas ações e pensamentos que ela chega a atingir a imagem que temos de nós. Não conseguimos mudar um passo que seja dos nossos dias, um ponteiro que seja das nossas horas. Até […]

Read More Lux mundi

O império do tempo

Dias diferentes são dias em que faço coisas que não costumo, em que me alegro, em que me zango, em que repito asneiras, em que faço asneiras novas, em que acerto em alguma coisa. Mas talvez isto seja o meu dia a dia… nada tem de novo. Hoje andei entre o Mosteiro de Fornos de Maceira […]

Read More O império do tempo